Origens e significados das festas juninas brasileiras

O mês de Junho é caracterizado por danças, comidas típicas, bandeirinhas, além das peculiaridades de cada região. É a festa junina, que se inicia no dia 12 de Junho, véspera do Dia de Santo Antônio e encerra no dia 29, dia de São Pedro. Durante os festejos acontecem as quadrilhas, os forrós, leilões, bingos e os casamentos caipiras. Recentemente, além das tradicionais festas católicas surgiram também os Arraiás Gospel, promovido por igrejas evangélicas.

Festas juninas ou Festas dos santos populares (Lituano - Joninės) são celebrações que acontecem em vários países historicamente relacionadas com a festa pagã do solstício de verão, que era celebrada no dia 24 de junho, segundo o calendário juliano (pré-gregoriano) e cristianizada na Idade Média como "festa de São João". Essas celebrações são particularmente importantes no Norte da Europa - Dinamarca, Estónia, Finlândia, Letônia, Lituânia, Noruega e Suécia -, mas são encontrados também na Irlanda, partes da Grã-Bretanha (especialmente Cornualha), França, Itália, Malta, Portugal, Espanha, Ucrânia, outras partes da Europa, e em outros países como Canadá, Estados Unidos, Porto Rico, Brasil e Austrália. Esta festividade foi trazida para o Brasil pelos portugueses, ainda durante o período colonial. No Brasil, recebeu o nome de junina (chamada inicialmente de joanina, de São João), porque acontece no mês de junho. Além de Portugal, a tradição veio de outros países europeus cristianizados dos quais se oriundam as comunidades de imigrantes, chegados a partir de meados do século XIX.

As festas juninas brasileiras sofreram grande influência de elementos culturais portugueses, chineses, espanhóis e franceses. Da França veio a dança marcada, característica típica das danças nobres e que, no Brasil, influenciou muito as típicas quadrilhas. Já a tradição de soltar fogos de artifício veio da China, região de onde teria surgido a manipulação da pólvora para a fabricação de fogos. Da península Ibérica teria vindo a dança de fitas, muito comum em Portugal e na Espanha.

Todos estes elementos culturais foram, com o passar do tempo, misturando-se aos aspectos culturais dos brasileiros (indígenas, afro-brasileiros e imigrantes europeus) nas diversas regiões do país, tomando características particulares em cada uma delas. As festas juninas brasileiras podem ser divididas em dois tipos distintos: as festas da Região Nordeste e as festas do Brasil caipira, ou seja, nos estados de São Paulo, Paraná (norte), Minas Gerais (sobretudo na parte sul) e Goiás.

A festa de São João brasileira é típica da Região Nordeste. Em Campina Grande, na Paraíba, a festa junina atrai milhares de pessoas. A canjica e a pamonha são comidas tradicionais da festa na região, devido à época ser propícia para a colheita do milho. O lugar onde ocorrem os festejos juninos é chamado de arraial, um espaço ao ar livre cercado ou não, e onde há barracas ou um galpão adaptado para a festa.

Origem da Fogueira

De origem européia, as fogueiras juninas fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão. Uma lenda católica cristianizando a fogueira pagã afirma que o antigo costume de acender fogueiras no começo do verão europeu tinha suas raízes em um acordo feito pelas primas Maria e Isabel. Para avisar Maria sobre o nascimento de São João Batista e assim ter seu auxílio após o parto, Isabel teria de acender uma fogueira sobre um monte.

O uso de balões

O uso de balões e fogos de artifício durante São João no Brasil está relacionado com o tradicional uso da fogueira junina e seus efeitos visuais. Este costume foi trazido pelos portugueses para o nosso país e ele se mantém até os dias atuais. Os fogos de artifício, segundo a tradição popular, servem para despertar São João Batista. Em Portugal, pequenos papéis são atados no balão com desejos e pedidos escritos neles.

Os balões, no entanto, constituem atualmente uma prática proibida por lei devido ao risco de incêndio. Os balões serviam para avisar que a festa iria começar; eram soltos de cinco a sete balões para se identificar o início da festança.

O mastro de São João

O mastro de São João, conhecido em Portugal também como o mastro dos Santos Populares, é erguido durante a festa junina para celebrar os três santos ligados a essa festa. No Brasil, no topo de cada mastro são amarradas em geral três bandeirinhas simbolizando os santos.

Tendo hoje em dia uma significação religiosa bastante enraizada e sendo, entre os costumes de São João, um dos mais marcadamente católico, o levantamento do mastro tem sua origem, no entanto, no costume pagão de levantar o "mastro de maio", ou a árvore de maio, costume ainda hoje viva em algumas partes da Europa

A quadrilha

A quadrilha brasileira tem o seu nome de uma dança de salão francesa para quatro pares, a "quadrille", em voga na França entre o início do século XIX e a Primeira Guerra Mundial. A "quadrille" veio para o Brasil seguindo o interesse da classe média e das elites portuguesas e brasileiras do século XIX por tudo que fosse a última moda de Paris.

Ao longo do século XIX, a quadrilha se popularizou no Brasil e se fundiu com danças brasileiras pré-existentes e teve subsequentes evoluções (entre elas o aumento do número de pares e o abandono de passos e ritmos franceses). Ainda que inicialmente adotada pela elite urbana brasileira, esta é uma dança que teve o seu maior florescimento no Brasil rural (daí o vestuário campesino), e se tornou uma dança própria dos festejos juninos, principalmente no Nordeste.

Hoje em dia, entre os instrumentos musicais que normalmente podem acompanhar a quadrilha encontram-se o acordeão (acordeom), pandeiro, zabumba, violão, triângulo e o cavaquinho. Não existe uma música específica que seja própria a todas as regiões. A música é aquela comum aos bailes de roça, em compasso binário ou de marchinha, que favorece o cadenciamento das marcações.

Os participantes da quadrilha, vestidos de matuto ou à caipira, executam diversas evoluções em pares de número variável. Em geral o par que abre o grupo é um "noivo" e uma "noiva", já que a quadrilha pode encenar um casamento fictício. Esse ritual matrimonial da quadrilha liga-a às festas de São João européias que também celebram aspirações ou uniões matrimoniais. Esse aspecto matrimonial juntamente com a fogueira junina constituem os dos elementos mais presentes nas diferentes festas de São João da Europa.

Arraiais Gospel

Atualmente muitas igrejas evangélicas abriram espaço para a realização de arraiais gospel — festas caipiras evangélicas. Nestas festas o objetivo é a diversão e a comunhão entre as pessoas. Os organizadores deste tipo de evento afirmam que não existe ligação das festas com significados pagãos ou católicos. Essa prática tem sido defendida tanto pela maioria dos evangélicos neopentecostais quanto por alguns conservadores e tradicionais. Nos arraiais gospel os evangélicos vivem uma noite caipira ao som de bandas como Xote Santo, além de brincar de quadrilha gospel, e comer comidas típicas.

Veja vídeo do Arraiá da Videira, uma igreja que anualmente promove esse tipo de festa típica:


Fonte: brasilescola.com; suapesquisa.com; wikipédia;

Gostou dessa postagem?
a) Indique-a para um amigo:
Bookmark and Share
b) Receba as novidades por e-mail ou RSS.
c) Deixe um comentário ou entre em contato conosco.

10 comentários:

  1. A bíblia diz és a diferença do justo e do ímpio,dos que servem a Deus e ao mundo.Não podemos servir a dois senhores ,ou há de agradar a um ou aborrecer a outro.O verdadeiro cristão não comemora São João,nem tão pouco participa de arrail gospel.Pra mim,precisam nascer de novo!Vão se converter ao Senhor de coração!

    ResponderExcluir
  2. PARA O ANONIMO AI cima, Deus tambem diz cuida da sua vida respeitando as demais......

    ResponderExcluir
  3. ACREDITO QUE CONHECER A NOSSA CULTURA Ñ É SERVIR A DOIS SENHORES MAIS SIM VALORIZAR O QUE TEMOS DE BOM. JÁ QUE A MAIORIA PRATICA A RELIGIOSIDADE SEM CONHECER O VERDADEIRO DEUS QUE MORREU POR NÓS E QUE HABITA NO CORAÇÃO DAQUELE QUE AMA E RESPEITA O SUE PRÓXIMO. ASSIM VC TAMBÉM TERÁ QUE NASCER OUTRA VEZ PARA PODER CONHECER ESTE DEUS MARAVILHOSO E TÃO FIEL QUE Ñ JULGAS PELO QUE OUVE MAIS SIM PELO QUE PENSAMOS E FAZEMOS!!!!

    ResponderExcluir
  4. estou fazendo um trabalho de aula onde o assunto e festa juninas

    ResponderExcluir
  5. É BASTANTE INTERESSANTE QUANDO SE FALA DE BIBLIA E DE CRISTO, AINDA MAIS QUANDO VAI CONTRA PRATICAS PECAMINOSAS, A MAIORIA CRITICA E VAI CONTRA...MAS CHEGARA UM DIA EM QUE TODOS TERAO QUE SE APRESENTAR DIANTE DO DEUS VIVO E PRESTAR CONTA DE SEUS ATOS.....

    ResponderExcluir
  6. Cadê o significado das bandeirinhas?? PrecisOo MtOo !! Aaah....

    ResponderExcluir
  7. Todos precisam saber que tudo vem do Senhor Jesus, então toda honra, toda glória, e todo louvor pertence a Ele. Só Jesus morreu e ressussitou porem está vivo Ele vê e sabe todas as coisas. os outros nomes a quem referem-se estas festividades morreu nada vê nada sabe nada faz. disse Jesus:sem mim nada podeis fazer. e toda esta festividade vem de quem não conhece a palavra de Deus. devemos e precisamos ser gratos só ao Criador de todas as coisas JESUS CRISTO O SALVADOR, REI dos reis e SENHOR dos senhores. OBRIGADA SENHOR SOU GRATA A TE.

    ResponderExcluir
  8. cara Jesus foi batizado por são joão batista, dexa o cara, dexa a gente comemorar o dia dele, ele foi uma pessoa de bem que ajudou no mundo é cultura, assim como nós mesmos falamos dos antepassados da nossa família,ele é um exemplo de pessoa, não estamos venerando estamos comemorando uma pessoa que seguiu o exemplo de jesus.

    ResponderExcluir
  9. URRRRRRA BOFO KKKKKK RECEBA

    ResponderExcluir